Metodologia de pesquisa qualitativa sobre violência: memória e informação na perspectiva de relatos autorais de homicídio

Alex Medeiros Kornalewski, Francisco Ramos de Farias

Resumen


Atualmente, temos uma proliferação de estudos sobre a questão da violência. O objetivo deste trabalho é refletir sobre métodos de pesquisa qualitativa em violência, especificamente a ferramenta de análise de conteúdo proposta por Laurence Bardin. O procedimento metodológico utilizado é a revisão da literatura sobre o método de análise de conteúdo e o método qualitativo em linhas gerais, a fim de refletir sobre as qualidades e desvantagens desta metodologia por intermédio de uma fonte de informação singular: os relatos de pessoas que cometeram homicídio. Analisar o tipo de metodologia qualitativa que será aplicada é essencial para saber como proceder no desenvolvimento de pesquisas que abordem a questão da violência social, que justificativa e defesa devem ser utilizadas, se as ferramentas escolhidas são adequadas para responder às questões do pesquisador ou entender as limitações e possibilidades relativas à ferramenta escolhida. Algumas considerações são necessárias: no caso da análise de conteúdo, temos uma ferramenta que se relaciona com os aspectos da memória e da informação. No caso dos relatos autorais de sujeitos que se encontram em conflito com a lei, temos, por um lado, uma miríade de experiências, estrutura e violência reativa perpetuada pela memória em diversos meios de comunicação, como entrevistas gravadas, transcrições e afins. Além disso, o viés informativo dos relatos autorais pode ser verificado quando usamos essa tipologia documental para tomada de decisão, proposta e / ou manutenção de políticas públicas em diversas áreas, como segurança pública, saúde pública, assistência social.

Palabras clave


Pesquisa qualitativa; Análise de conteúdo; Violência.

Texto completo:

PDF HTML

Referencias


ANGROSINO, M. (2009). Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed.

ASSMANN, A. (2011). Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas, SP: Unicamp.

BARDIN, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: edições 70.

BAUDRILLARD, J. (1992). A transparência do mal. 2. ed. Rio de Janeiro: Papirus.

BAUER, M.; GASKELL, G. (2013). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

BAZERMAN, M. (2004). Processo decisório: para cursos de administração, economia

e MBA ́s. Rio de Janeiro: Elsevier.

BECKER, H. (2014). A epistemologia da pesquisa qualitativa. Revista de Estudos Empíricos em Direito, São Paulo, 1(2): 184-198. Disponível em: . Acesso em: 25/04/2017.

BERGSON, H. (2009). A energia espiritual. São Paulo: WMF Martins Fontes.

/ Espacio Abierto vol. 26 nº4 (octubre - diciembre, 2017): 97-108

BUTLER, J. (2015). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CAVALCANTE, R. B.; CALIXTO, P.; PINHEIRO, M. M. K. (2014). Análise de conteúdo:

considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, 24(1): 13-18.

DODOUN, R. (1998). A violência: ensaio acerca do “homo violens”. Rio de Janeiro: Difel.

FAVRET-SAADA, J. (2009). Être affecté en Désorceler. França: L’Olivier.

GIL, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas. GONDAR, J. (2005). Quatro proposições sobre memória social? en Jô Gondar; Vera

Dodebei (org.). O que é memória social? Rio de Janeiro: Contra Capa.

MINAYO, M. C. S. (2016). O desafio da pesquisa social en Maria Cecília de Souza Minayo; Suely Ferreira Deslandes; Romeu Gomes (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ, Vozes.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; ASSIS, Simone Gonçalves de; SOUZA, Edinilsa Ramos de. (2005). Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz.

POLLAK, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos, Rio de

Janeiro, 2(3): 3-15.

SILVA, C. R.; GOBBY, B. C.; SIMÃO, A. A. (2005). O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método. Organ. rurais agroind, Minas Gerais, 7(1): 70-81.

VARELA, A. (2007). Informação e construção da cidada




Universidad del Zulia /Venezuela /Espacio Abierto /eabierto.revista@gmail.com / ISSN: 1315-0006

 

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 3.0 Unported.